'Não é um caso isolado', diz pai de Rafaela Drumond, escrivã encontrada morta após denunciar casos de assédios no trabalho; audiência acontece nesta segunda

  • 27/11/2023
(Foto: Reprodução)
Aldair Drumond disse que estará presente na sessão e que contratou um perito para contestar a perícia realizada pela corregedoria da Polícia Civil. Policial morreu no início de junho em Antônio Carlos, no Campo das Vertentes. Rafaela Drumond, escrivã da Polícia Civil Reprodução/Redes Sociais Será realizada na tarde desta segunda-feira (27), a partir das 17h, uma audiência preliminar do processo que envolve a morte da escrivã Rafaela Drumond. A policial foi encontrada morta em casa no dia 9 de junho após ter denunciado episódios de assédio na delegacia onde trabalhava em Carandaí, na Zona da Mata mineira. Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Telegram Em entrevista à TV Integração, o pai de Rafaela disse que estará presente e que contratou um perito para contestar a perícia realizada pela corregedoria da Polícia Civil. 📲 Receba no WhatsApp notícias da Zona da Mata e região “No meu ponto de vista do pai, não foi uma perícia precisa, profissional. No ponto de vista de pai, entendeu, tendo em vista que ela foi completamente parcial ao inspetor e ao delegado”, disse Aldair Drumond. Ainda segundo Aldair Drumond, é preciso combater o assédio moral que “parece ser coisa natural na Polícia Civil”. “O caso da Rafaela não é um caso isolado. Se você analisar bem, de junho para cá foram seis policiais que tiraram a vida, seis. É muita coisa, é um por mês. O assédio mata. Esse caso é um caso muito sério, teria que ter um acompanhamento muito sério e, infelizmente, não deu. Desfechou isso aí”, completou. Aldair Drumond, pai de Rafaela TV Integração/Reprodução Em nota, a Polícia Civil informou que o inquérito foi concluído e enviado à Justiça. Além disso, está em andamento a Sindicância Administrativa, que apura eventual responsabilidade disciplinar dos servidores. “A PCMG esclarece que eventuais denúncias sobre prática de atos que constituam assédio são imediatamente investigadas pela Corregedoria-Geral da Polícia Civil, por meio de procedimentos disciplinares e criminais. Há, inclusive, uma comissão que atua, especificamente, nas denúncias de assédio moral”, complementou a nota. A audiência No fim de outubro, o g1 mostrou que a Justiça acatou o pedido do Ministério Público de Minas Gerais acerca do caso de Rafaela Drumond. Com isso, ficou confirmado o arquivamento do inquérito policial que apurava o investigador Celso Trindade de Andrade. Com relação ao delegado Itamar Cláudio Netto, que o MP apontou omissão, a Justiça de Carandaí entendeu não ser competente para analisar o caso e o transferiu para o Juizado Especial Criminal, órgão responsável pelas infrações de “menor potencial ofensivo”. Por se tratar de um crime de “menor potencial ofensivo”, ele não foi denunciado e não se tornará réu. A situação dele será analisada nesta audiência. Relembre o caso 09/06: Rafaela Drumond foi encontrada sem vida pelos pais em casa, que fica em um distrito de Antônio Carlos. A escrivã, que tinha 31 anos, era lotada em Carandaí. 12/06: Polícia Civil abre investigação sobre a morte da policial. Em paralelo à apuração policial, o Sindicato dos Escrivães da Polícia Civil de Minas Gerais (Sindep-MG) informou sobre o recebimento de diversas denúncias de que a vítima vinha sofrendo assédio moral, sexual, além de pressão com a sobrecarga no trabalho. 13/06: Em entrevista à TV Integração, o pai Aldair Divino Drumond disse que a filha não chegou a contar sobre os assédios. 15/06: Um vídeo que mostra a escrivã sendo xingada começa a circular nas redes sociais. A perícia, na época, disse que iria investigar. 21/06: Em áudios enviados a uma amiga em fevereiro deste ano, a escrivã relatou episódios de assédio moral e sexual, perseguição, boicote e até uma tentativa de agressão física. 23/06: Delegado e investigador de Carandaí são transferidos de unidade. 29/06: Delegado e investigador que trabalhavam com escrivã prestam depoimento. 18/10: Ministério Público vê omissão de delegado investigado em caso de escrivã encontrada morta. 24/10: Justiça acata o pedido do Ministério Público de Minas Gerais acerca do caso. Com isso, ficou confirmado o arquivamento do inquérito policial que apurava o investigador Celso Trindade de Andrade. Com relação ao delegado Itamar Cláudio Netto, que o MP apontou omissão, a Justiça de Carandaí entendeu não ser competente para analisar o caso e o transferiu para o Juizado Especial Criminal, órgão responsável pelas infrações de “menor potencial ofensivo”. 17/11: Justiça marca para o dia 27 de novembro a audiência preliminar do processo que envolve a morte da escrivã Rafaela Drumond. LEIA MAIS SOBRE O CASO: Morte de escrivã de Carandaí será investigada pela Polícia Civil Ministério Público vê omissão de delegado investigado em caso de escrivã encontrada morta Justiça isenta investigador suspeito de assediar escrivã encontrada morta em Minas Gerais 📲 Siga o g1 Zona da Mata: Instagram, Facebook e Twitter 📲 Receba no WhatsApp as notícias do g1 Zona da Mata VÍDEOS: veja tudo sobre a Zona da Mata e Campos das Vertentes

FONTE: https://g1.globo.com/mg/zona-da-mata/noticia/2023/11/27/nao-e-um-caso-isolado-diz-pai-de-rafaela-drumond-escriva-encontrada-morta-apos-denunciar-casos-de-assedios-no-trabalho-audiencia-acontece-nesta-segunda.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Top 5

top1
1. Bloqueado

Gusttavo Lima

top2
2. Vai Lá Em Casa Hoje

George Henrique & Rodrigo e Marília Mendonça

top3
3. A Maior Saudade

Henrique & Juliano

top4
4. Vontade de Morder

Simone & Simaria e Zé Felipe

top5
5. Abalo Emocional

Luan Santana

Anunciantes